05/11/2013

Suposta cidade dos gigantes pode ter sido descoberta no Equador


Durante séculos o povo do Equador têm compartilhado e alimentado histórias das lendárias cidades antigas supostamente perdidas nas selvas. Muitas dessas histórias são baseadas em torno da hipótese razoável que um número de assentamentos incas foram abandonados e engolidos pela expansão da floresta, sendo as histórias mantidas vivas pela perspectiva tentadora de grandes quantidades de ouro Inca escondido nestas poucas áreas urbanizadas que não caíram em mãos espanholas. Podemos dizer com certeza que, ao contrário do Peru, o Equador não teve muitas descobertas reconhecidas de antigos assentamentos urbanos significativos.


No ano passado, uma equipe de exploradores e pesquisadores descobriram aquilo que eles acreditavam ser um complexo de pirâmides antigas em uma área remota da floresta amazônica equatoriana, uma região não conhecida internacionalmente pelo público em geral ou mesmo dentro do país. Bruce Fenton, escritor e pesquisador, completou uma análise das descobertas e acredita que o complexo pode ser a “Cidade Perdida dos Gigantes”.


No local da descoberta há uma estrutura piramidal extremamente grande, de aproximadamente 80 metros quadrados de base e 80 metros de altura, com lados aguçadamente inclinados. Esta estrutura é feita de enormes blocos de pedra de formatos irregulares, cada um atualmente calculado como tendo aproximadamente 2 toneladas; muitas centenas desses blocos perfazem as paredes deste prédio.


O topo parece ser uma área achatada que é suspeita de ter sido a plataforma usada por sacerdotes em cerimônias, ou possivelmente sacrifícios. Espalhados pela área estão muitos artefatos de pedra e cerâmica. Muitos destes objetos parecem ser ferramentas de pedra que poderiam ter sido usados em mineração, ou para refinar algum tipo de minério. O estilo dos prédios e dos objetos encontrados sugerem pertencer à uma cultura pré-Inca. Porém, novas investigações são necessárias para estabelecer os fatos, as quais Fenton e equipe planejam conduzir num futuro próximo.

Dentre estas ferramentas estão algumas que seriam extremamente difíceis de serem usadas de forma prática por seres humanos de tamanho normal, o que levou Fenton a suspeitar que esta tenha sido uma das legendárias cidades perdidas de gigantes, as quais fazem parte das lendas bem conhecidas desta região da Amazônia. Tais lugares geram grande temor entre os membros das tribos de hoje na região, pois eles acreditam ser protegidos pelos espíritos guardiões ou por seres de outro mundo.

As lendas locais falam de humanos gigantes que viveram em cidades que se tornaram esquecidas nas páginas da história. Na verdade, ossos de povos gigantes tem sido encontrados em cavernas da região – bem como em outra partes do Equador. Fala-se que esta região em particular é um grande lugar de reunião de tribos. De fato, até mesmo tribos do Brasil viajaram para esta localidade devido às crenças sobre sua importância e forte vibração energética.

Até agora a equipe identificou várias colinas de grande porte a serem validadas como estruturas piramidais, cada qual de tamanho igual da suposta pirâmide descoberta. É possível que cada uma destas colinas seja uma pirâmide ainda a ser desenterrada. Isto denotaria uma cidade e complexo de pirâmides de tamanho significativo.

Uma equipe internacional de peritos em sítios megalíticos antigos e tecnologias de pirâmides estão planejando fazer uma expedição ao local para colocá-lo precisamente num mapa e produzir um documentário de uma hora para registrar as características espetaculares deste intrigante sítio.

Os blocos de pedra variam de tamanho e forma pelas paredes da pirâmide. Parecem possuir um estilo altamente caótico e, se foram feitos pelo homem, apresentaram interessantes problemas para os engenheiros construírem na época em que foi construído. O trabalho em pedra assemelha-se ao que é visto em outros sítios antigos no Peru, por exemplo, no forte de Saksaywaman, que embora atribuído aos Incas, os índios locais alegam que havia um povo antigo com a habilidade de amolecer as pedras com um produto derivado de plantas.


Entre os blocos há uma substância similar ao cimento ou concreto. Acredita-se que os Incas não utilizavam argamassa, mas sim faziam com que os blocos se encaixassem perfeitamente. Todavia, neste caso, parece haver um material de ligamento entre alguns dos grandes blocos de pedra. Porém, um exame mais minucioso revela a possibilidade de que isso poderia ser algum tipo de material vitrificado. Evidências de outras rochas vitrificadas têm sido encontradas em sítios antigos na América Latina.

Os investigadores do sítio também encontraram o que parecem ser ferramentas enormes, as quais seriam extremamente difíceis de serem utilizadas por humanos de tamanho normal, o que levou a Fenton suspeitar que esta tenha sido uma das legendárias cidades de gigantes, bem conhecidas nas lendas equatorianas.


As ferramentas se parecem com martelos enormes, ou pelo menos ‘cabeças de martelos’. Presumindo-se que essas peças eram conectadas a cabos de madeira dura, elas teriam tanto o tamanho, como peso, incríveis, tornando seu uso impraticável para um inca ou um índio típico, os quais tinham a estatura média de 1,5 metros

Veja abaixo um vídeo sobre estas estruturas encontradas na região central do Equador:



Fontes: OVNI Hoje, Earth4AllEzine e Fórum Anti Nova Ordem Mundial

Quando amanhecer, você já será um de nós...
2 Comentários
Comentários
2 comentários:
  1. 'os índios locais alegam que havia um povo antigo com a habilidade de amolecer as pedras com um produto derivado de plantas'
    Inquietante, apesar da tendência de esperar métodos mirabolantes, é preciso se focar mais no plausível e em coisas mais terrenas, mas que se tornaram esquecidas.

    ResponderExcluir

Página do Facebook

Publicidade 1

Noite Sinistra no YouTube

Postagem em destaque

O misterioso perfil do Facebook de Karin Catherine Waldegrave